Health Techs brasileiras: Veja como elas estão revolucionando a saúde

26/10/2020

Um estudo recente realizado pela Distrito Healthtech Report Brasil 2020, mostrou que o número de healthtechs brasileiras, empresas de tecnologia voltadas à saúde, duplicou nos últimos cinco anos. Isso mesmo, o setor da saúde, inclusive, é o terceiro maior em número de startups e têm demonstrado rápido crescimento, visto que, segundo o levantamento, metade das startups de saúde no país foram fundadas entre 2016 e 2020. Atualmente, são 542 empresas mapeadas na pesquisa, número que no ano de 2015 era de 265.

Além do aumento no número, as health techs também impressionam pelo crescimento nos investimentos. Desde 2014, US$ 430 milhões foram investidos nas healthtechs, divididos em 189 rodadas mapeadas pelo Distrito. E, mesmo com a crise, a expectativa é que 2020 supere os aportes do ano passado, dada a relevância que tais startups ganharam pelo seu esforço em combater a pandemia do novo coronavírus.

 

O universo das Health Techs brasileiras

 

Atualmente, diversas empresas tradicionais têm buscado trabalhar com ecossistemas para encontrar soluções para problemas emergentes ou pré-existentes. A inovação tecnológica é um dos pilares desses ecossistemas. Ela pode ser o que vai diferenciar produtos, e, no limite, até transformar de forma significativa, negócios, sociedade e indivíduo.

 

Esse impulso para inovar usando tecnologia, quando incorporado aos negócios, é capaz de amparar e estimular a criação de produtos e serviços. E são as grandes empresas que buscam por isto que compõem o campo fértil que hoje ouvimos falar a todo momento: as startups focadas em saúde.

 

Assim, as Health Techs brasileiras trazem a energia criativa responsável por acelerar a chegada de soluções que, sem elas, demorariam muito mais, ou talvez nem chegassem.

As estatísticas sobre as Health Techs brasileiras

Confira alguns dados apontados pela pesquisa em relação às estatísticas sobre as Health Techs brasileiras.

 

  • Sudeste concentra mais de 60% das Health Techs brasileiras;
  • São Paulo é o polo principal, com 43% das Health Techs brasileiras;
  • Health Techs brasileiras que melhoram a gestão em clínicas, hospitais e laboratórios estão na liderança, com 25%;
  • Metade das Health Techs brasileiras têm menos de 5 anos de operação;
  • Juntas, as Health Techs brasileiras empregam quase 10.000 pessoas;
  • Soluções B2B predominam nas Health Techs brasileiras;
  • As Health Techs brasileiras costumam ter de 2 a 3 sócios, em média com 40 anos;
  • Apenas 20,3% dos membros dos quadros societários das Health Techs brasileiras são mulheres;
  • Desde 2014, US$ 430M foram investidos em Health Techs brasileiras;
  • As Health Techs brasileiras da categoria Marketplace foram as que mais receberam investimentos.

 

Projeções

 

Certamente essa área ainda promete inúmeras surpresas positivas, afinal, quando se trata de um cenário global, os investimentos em startups de saúde vêm crescendo nos últimos anos, resultando num aporte de mais de US$ 40 bilhões. E mesmo que, momentaneamente as Health Techs brasileiras representem uma pequena parte do montante, as tendências e projeções são as melhores possíveis.

 

Inteligência Artificial e Big Data

 

Para tornar os processos do setor mais eficientes, é preciso combater os aumentos desnecessários nos custos médicos e o desperdício de tempo. Dessa forma, as organizações de saúde estão buscando aplicar tecnologias de TI eficazes que lhes permitam consolidar recursos organizacionais para oferecer uma experiência de alta qualidade ao paciente, melhorar o desempenho organizacional e até mesmo criar novos modelos de negócios baseados em dados. Por isso, as tecnologias avançadas como Big Data e Inteligência Artificial são vistas como futuras aliadas do sistema de saúde. 

 

Tendências 

 

Veja alguns tópicos das tendências para as Health Techs:

 

  • O uso da Nuvem;
  • Robótica;
  • Realidade Aumentada (AR);
  • Realidade Virtual (VR);
  • Drones;

 

Quer aprofundar seus conhecimentos sobre o tema? Então acesse e baixe o estudo completo da Distrito Healthtech Report Brasil 2020.

Comentários